Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O meu Mundo:-)

O meu Mundo:-)

Em silêncio

floreca, 08.08.05
align=left hspace=10>align=justify>Os nossos silêncios podem-se tornar complicados, mesmo sem o percebermos. Podemos até magoar as pessoas que nos são mais próximas, apenas porque mudamos as nossas atitudes sem explicar que há motivos para as mudar.
Eu não costumo falar daquilo que realmente me atormenta a alma, mas sei que, por vezes, os meus problemas alteram a minha forma de lidar com os outros. Há dias em que me escondo, ignoro-os ou chego até a tratá-los menos bem...
Aqueles que lidam mais de perto comigo já me conhecem o suficiente para perceber quais são os meus dias menos bons. Mas como ficam os outros, aqueles que não me conhecem tão bem? Quantos já terei magoado e afastado assim? Até porque eu sei que tenho um feitiozinho lixado...
Não sei a resposta.
E quando somos nós no lugar desses amigos? Quando somos nós que não percebemos que alguém de quem gostamos não está bem, que precisa de se isolar, e nós levamos isso a mal?
Foi o que me aconteceu há uns dias. Fiquei magoada com alguém que agiu comigo da forma que eu também agiria com os outros.
Felizmente peguei no telemóvel a tempo de perceber que a outra pessoa estava bem pior que eu...
A mágoa não ficou, foi substituída por uma preocupação muito grande. Como posso ajudar alguém que prefere o silêncio?
Parece-me que encontrei alguém tão, ou mais, casmurro que eu!
Tenho-o ajudado como posso, mostrando-lhe que aqui estou, dando-lhe a mão ao longe.
A verdade é que temos de ser nós a resolver os nossos problemas... mas, se calhar, desabafar ajuda um bocadinho...

Nunca mais aprendo!

floreca, 05.08.05

Durante muito tempo tive o cuidado de não deixar ninguém entrar na minha vida e consegui-o. Talvez tenha perdido algo por agir desta forma, mas evitou-me muitos dissabores, tenho a certeza.
Eu afeiçoo-me com facilidade às pessoas e custa-me que não correspondam às minhas expectativas.
É uma forma de defesa, para tentar manter o meu equilíbrio...
Nos últimos meses quebrei esta regra. Houve alguém que conheci e que soube conquistar-me e ocupar um lugar na minha vida, como há muito não acontecia.
Mas também me desiludiu... e é só nestes momentos que eu volto a lembrar-me que a regra não existe só por capricho.
Não percebo como é tão difícil lidar com as pessoas de quem gostamos... porque são só essas que são capazes de nos magoar.

O dia de ontem

floreca, 03.08.05

Começou mal, muito mal.
Há coisas na minha vida que não me largam, parecem um pesadelo interminável, atrás de mim.
Tinha pensado em ir ter com uma amiga ontem, mas estava tão mal disposta que pus de lado essa hipótese. No entanto, ela ligou-me e lá me convenceu a ir dar uma volta. A partir daí o dia animou-se, o grupo aumentou, primeiro mais uma amiga e depois o meu amigo especial.
É impossível estar com ele e não me sentir bem, aquele homem tem sobre mim um poder fantástico! É remédio santo para as minhas indisposições...
Para além da conversa e da brincadeira, gostei da forma como o senti ao meu lado: apesar de o adorar, o meu coração já não bate mais forte... É apenas uma sensação de bem estar, de cumplicidade e de intimidade que nunca se perderam.
Acabámos por ter uma noite bem disposta e que me soube muito bem.
Pelo menos não fiquei a pensar nas outras coisas que me deixam de rastos...

Não sei onde tenho a cabeça...

floreca, 01.08.05
align=right width=300 hspace=10>align=justify>Hoje aconteceu-me algo que o prova bem!
Gosto de ter chá fresco no frigorífico e, por isso, lembrei-me de o fazer antes de sair de casa. Peguei no fervedor, enchi-o de água e pus ao lume.
Entretanto comecei a preparar o que tinha de levar quando fosse sair, tinha vários caixotes de cartão para levar para a reciclagem.
Pego em tudo, chamo o elevador e toca a sair. Quando cheguei ao carro lembrei-me, vagamente, que tinha pensado em fazer chá. Já não tinha a certeza de ter posto a água ao lume, mas resolvi voltar a casa e verificar. A água estava a ferver radiante...
Este é o ponto onde chegamos quando o cansaço ataca...
Eu não sou nada distraída, mas ultimamente têm-me acontecido algumas destas...

Pág. 2/2